Luara

Cores compõem o universo,
De cores seu espírito é preenchido.
Acende a luz, mas tem receio de ver além das chamas
E o mundo está sempre pegando fogo.

Dona do futuro, de si e também das cinzas do passado
Da sabedoria que duvida pertencer a esse ser.
Alma antiga. Jogada as feras do mundo moderno,
Mas sempre tão paciente que até aceito a franqueza.

Que no final das contas é tudo que a madrugada consome
Além do cansaço de uma conexão multilateral.
Mas aí ela está. É invisível tão como um anjo;
Ilumina a noite fria com a resistência de um sol da meia noite.

Seja por sorte ou azar. Pra bem ou mal.
Ela insiste em existir tal como flor na lama.
Derrama e chora como as chuvas.
E no final das contas é só uma dessas leoas adormecidas.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s