Platônico

Minha mente é uma máquina.
Uma máquina do tempo.
Lenta e com um gosto pelo amargo.
Como uma fita K7 reproduzindo The Cure.

Como se Morrissey não tivesse escrito sobre mim.
Humana. Querendo amor, como qualquer outro.
Na carência do platônico.
O amor nos levará a lágrimas novamente.

Pendurada e enforcada no meu próprio…
… Meu próprio cordão umbilical.
Estou suja. Sou suja.
Com a minha própria lama, meu sangue.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s