Avox

Eu canto,
por aquelas que não têm voz.
Eu escrevo,
por elas cujas mãos estão sujas e sangrando.

Era vazio o lugar.
É vazio meu coração.
Sujo era aquele homem.
A suja agora sou eu.

Mamãe uma vez me falou do amor.
De todas as coisas bonitas que ele traria.
Uma vez eu acreditei nisso
E agora eu não consigo vê-lo.

Meu rosto te provoca?
Seus instintos mais primitivos.
E depois de todas aquelas roupas que você culpou.
O que são elas? Trapos que você rasgou.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s